bite away®
Como funciona?

bite away®: O dispositivo térmico original contra picadas

bite away® é o dispositivo térmico original contra picadas, que consegue aliviar o prurido de forma eficaz e duradoura. Mas como funciona o bite away®?

Durante a picada, a saliva do inseto causa uma reação de defesa da pele. As células imunitárias são ativadas e é libertada histamina, que se liga aos recetores das células nervosas. Como resultado é sentido prurido nos locais afetados. O bite away® consegue aliviar esta reação pela aplicação de calor concentrado. Este mecanismo de ação é designado de termoterapia local e tem dois princípios de atuação.

Princípio de atuação 1: estímulo de calor como contraestímulo

Através de uma dor antagonista precisa, por intermédio da ativação dos recetores TRPV-1 devido ao calor, consegue-se inibir a via de sinalização neuronal do prurido.1 Simplificando, a aplicação de calor funciona como um "contraestímulo" sobre as células nervosas da pele. Este contraestímulo consegue inibir a passagem do sinal de prurido para o cérebro, aliviando assim esta sensação desagradável.

Princípio de atuação 2: menor libertação de histamina

Além do anterior, há mais um princípio de atuação possível. Estudos mostraram que a aplicação de calor concentrado pode influenciar positivamente diversas reações imunitárias. Supõe-se que a inibição (choque térmico) dos mastócitos reduz a libertação de histamina e de outros mediadores inflamatórios (in vitro).2 Uma libertação reduzida de histamina pode levar ao alívio da sensação de prurido.

bite away® utiliza a termoterapia

O dispositivo térmico original contra picadas bite away® aplica calor preciso sobre a pele. Um estudo clínico com bite away® demonstrou que este consegue aliviar o prurido de forma duradoura em apenas um minuto4. Numa observação em condições reais, foi possível demonstrar que apenas uma aplicação costuma ser suficiente para parar o prurido3.

1: Yosipovitch G, et al., 2005
2: Greaves MW, Mongar JL., 1968
3: Müller et al., Clin Cosmet Investig Dermatol. 2011; 4:191-196
4: Estudo clínico de aplicação prospetivo, aleatório, controlado por placebo no proDERM Institut, 2019.